Tratamento da Artrite Reumatoide via infusão de imunobiológicos

Tratamento da Artrite Reumatoide via infusão de imunobiológicos

Fotolia_26234759_Subscription_Monthly_XXL-940x380A Artrite Reumatoide (AR) é uma doença inflamatória de origem autoimune na qual a membrana sinovial, que reveste as articulações (e que produz o líquido sinovial, responsável pela lubrificação das mesmas) passa a sofrer uma infiltração de células de defesa, como linfócitos e macrófagos. Esse processo inflamatório faz com que a membrana sinovial passe a invadir a cartilagem e o osso situado logo abaixo dela (osso subcondral), o chamado pannus.

“A causa desta inflamação ainda não é conhecida, mas sabemos que há um importante componente genético definindo uma maior suscetibilidade ao desenvolvimento da doença. Fatores hormonais parecem contribuir para a maior incidência da AR em mulheres na idade fértil. Muitas vezes, um grande estresse emocional também pode ser encontrado como fator desencadeante da doença”, explica Wagner Weidebach, doutor em Reumatologia pela USP.

No que diz respeito ao tratamento da Artrite Reumatoide, o médico explica que o uso de agentes chamados imunobiológicos inaugurou uma nova era na Reumatologia. “Podemos hoje controlar a atividade inflamatória em casos resistentes aos tratamentos convencionais, com o intuito de induzir o que se chama de remissão, ou seja, o controle dos sintomas mediante tratamento. Ainda não podemos falar em cura da AR, mas a qualidade de vida dos pacientes é hoje significativamente melhor do que antes do advento dos biológicos”.

Na entrevista a seguir, o reumatologista explica como ocorre o tratamento via infusão de medicamentos.

Quais são as principais formas de tratamento da Artrite Reumatoide?
Até meados da década de 1980, o tratamento da Artrite Reumatoide era baseado no uso de corticoides, anti-inflamatórios não hormonais e de antimaláricos. Um grande avanço ocorreu a partir do uso do methotrexate (MTX), droga utilizada como agente quimioterápico, em baixas doses semanais. Passou-se, então, a pensar a AR como uma doença tratável com as chamadas Drogas Modificadoras da Atividade de Doença (DMARDs), que não só controlavam o processo inflamatório, como evitavam a destruição da articulação e sua consequente progressão para as antes inevitáveis deformidades articulares. Entretanto, o methotrexate, bem como um seu sucedâneo, a leflunomida, não foram capazes de deter completamente o avanço da doença em todos os pacientes.

Em quais casos a infusão de medicamentos (terapia biológica) é indicada? Quais as suas vantagens?
A terapia com os chamados agentes imunobiológicos está atualmente indicada nos casos onde as DMARDs falham. A primeira categoria deste grupo são os medicamentos antiTNF (fator de necrose tumoral, um importante mediador da inflamação), representados pelo infliximab, pelo etanercept e pelo adalimumab. Associados ao methotrexate, estes agentes se mostraram capazes de modificar a evolução da AR, evitando as erosões ósseas responsáveis pela destruição articular.

A partir do início do século XXI, outras categorias de agentes imunobiológicos vêm surgindo, como o rituximab, anticorpo monoclonal capaz de depletar as células B (ou linfócitos B, células-chave na regulação da resposta imune a na produção de autoanticorpos). Outras drogas, como o abatacept e, mais recentemente, o tocilizumab representam novos agentes disponíveis no arsenal terapêutico do reumatologista.

Como ocorre a infusão de medicamentos? Há alguma restrição para a sua realização?
Alguns agentes biológicos podem ser administrados por via subcutânea, como o etanercept e o adalimumab, enquanto outros, como o infliximab e o rituximab, são infundidos por via intravenosa, num procedimento chamado de infusão. Na infusão, o paciente recebe um soro na veia, durante um período que pode variar de 2 a 4 horas. Em geral, esta infusão é feita em regime de hospital-dia, ou seja, o paciente chega, recebe a medicação e volta para casa após o procedimento. As restrições ao uso dos agentes biológicos são previamente definidas pelo médico, mediante avaliação individual de cada paciente e realização de exames prévios pertinentes a cada agente biológico específico.

Que cuidados o paciente deve ter antes de receber a infusão? Como se dá a sua preparação antes do procedimento?
Não há nenhum preparo especial para a infusão, não havendo necessidade de jejum. Em geral, são administrados antes da infusão medicamentos antialérgicos para prevenir as chamadas reações infusionais. São verificadas a temperatura e a pressão arterial, uma vez que não é recomendável receber uma infusão durante um processo infeccioso (resfriado forte, gripe ou infecção de qualquer natureza).

Há algum tipo de complicação que possa surgir durante a infusão?
As chamadas reações infusionais são decorrentes da própria natureza de muitos agentes biológicos. Muitos deles (infliximab, rituximab) são anticorpos monoclonais produzidos a partir da fusão de anticorpos humanos a fragmentos de moléculas de anticorpos de camundongo (anticorpos quiméricos). Assim, pode haver uma reação alérgica durante sua administração. Estas reações são, via de regra, leves e facilmente controladas com medicações antialérgicas simples. Em geral, é feita uma pré-medicação para evitar que estas reações ocorram. Alguns agentes como o abatacept e o tocilizumab não causam reações infusionais e dispensam a pré-medicação. Mas, como ocorre com qualquer outro medicamento, os efeitos colaterais também dependem da susceptibilidade de cada indivíduo à droga utilizada.

Do ponto de vista do cliente e do médico, quais os benefícios de se realizar o procedimento no Fleury Hospital-Dia?
O ambiente de um hospital-dia se aproxima do ideal para um regime de infusão: alia o conforto com a segurança de um ambiente hospitalar. No caso do Fleury Hospital-Dia, há uma equipe médica e de enfermagem treinada para a realização destes procedimentos e apta a controlar adequadamente qualquer sintoma que ocorra durante a infusão. Em relação ao médico, temos a tranquilidade de que o paciente realizará seu tratamento dentro dos mais altos padrões de qualidade, característicos do Fleury.

Que cuidados especiais o paciente deve ter após a infusão? Ele pode retomar suas atividades normais logo em seguida ao procedimento?
Após o término da infusão, o paciente pode retomar suas atividades usuais. A sonolência eventualmente causada pela pré-medicação (anti-histamínicos) é de curta duração e, em geral, o paciente termina o procedimento completamente desperto e apto, inclusive, a dirigir.

Há algum limite máximo de infusões em um determinado período?
Os agentes biológicos administrados por infusão têm uma ação prolongada que pode variar de dois meses até seis meses ou mais. São realizadas, então, infusões periódicas que podem ser mantidas no longo prazo, com grande segurança. No caso do abatacept e do tocilizumab, as infusões são sempre mensais. O infliximab é normalmente infundido a cada dois meses (oito semanas), enquanto o rituximab tem um intervalo mais longo, com infusões a cada seis meses. De qualquer forma, o reumatologista é quem deve avaliar qual a melhor opção terapêutica para o seu paciente.

Fonte: Wagner Weidebach, médico formado pela Faculdade de Medicina da USP em 1984, mestre em Imunologia Básica e doutor em Reumatologia pela USP



  1. Quero deixar meus parabens pelo laboratorio
    Sou barrageiro e muito andado .
    Nunca tinha entrado em um laboratorio tao alhinhado como esse.
    As 06;50 da manha e encontrar todos de cara boa RARIDADE .
    ATENDIMENTO VIP
    Parabens Porto Velho merece coisa boa.
    estou encantado com vcs

  2. Auxiliadora Says: abril 5, 2016 at 10:03 am

    Realmente é top esse laboratório e o atendimento é de primeira
    E sem falar nos sorrisos de cada atendente e as informações
    Por eles passadas.
    Parabens!

  3. Estão de parabens, atendimento de primeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *