Beta-2-Microglobulina

A beta-2-microglobulina (b2M) é uma pequena molécula presente na superfície das células nucleadas, principalmente linfócitos, que está relacionada com HLA (Human Leucocyte Antigen). Sua presença é necessária para a inserção da molécula de HLA na membrana celular, além de estabilizar a cadeia pesada do HLA. Ela parece atuar na regulação da função dos leucócitos, mas isso ainda não foi suficientemente definido.

Está, normalmente, presente em plasma, urina e liquor. É liberada durante o processo de renovação das membranas celulares. Por ser uma proteína pequena, é filtrada pelos glomérulos. No entanto, a maior parte é reabsorvida e degradada pelas células epiteliais tubulares dos túbulos proximais. Por isso, a concentração plasmática de b2M é um bom índice da taxa de filtração glomerular. É relatado um aumento progressivo dos valores normais acompanhando a idade.

Níveis séricos elevados podem ocorrer em diversas patologias inflamatórias, como hepatites, artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico, AIDS, sarcoidose e em pacientes com leucemias, linfomas e alguns tumores sólidos e patologias que cursam com a diminuição da filtração glomerular.

Níveis urinários elevados podem ser encontrados em pacientes com desordens renais tubulointersticiais, como intoxicação por metais pesados, drogas quimioterápicas, aminoglicosídeos, infecções urinárias altas e rejeição a transplantes. Relatos recentes apontam a b2M como o melhor fator prognóstico no mieloma múltiplo.